Rodrigo Pimpão teria demonstrado desejo de voltar ao Paraná

15/05/2009 às 17h04 - CLUBE

Há pouco mais de um mês o Paraná Clube ameaçou, mas na próxima semana irá executar o Vasco da Gama na justiça pelos débitos contraídos na venda do atacante Rodrigo Pimpão. A diretoria do Tricolor cansou-se de tentar uma negociação amigável com o time carioca e o departamento jurídico do clube já trabalha nas frentes em que irá atuar no judiciário. Além do pedido pelos pagamentos das cinco parcelas restantes – duas delas em atraso –, os paranistas agora não descartam pedir o retorno de Pimpão.

“Já contemporizamos muita coisa e para tudo há limite. Tudo vai depender das nuances jurídicas, e eu diria que tudo é possível, inclusive a volta do jogador”, afirmou o vice-presidente de futebol do Paraná, Márcio Villela, à Gazeta do Povo.

Negociado por R$ 1,7 milhão, Rodrigo Pimpão renderia inicialmente oito parcelas de R$ 212,5 mil aos cofres tricolores. O Vasco só pagou duas parcelas de R$ 100 mil, após muita pressão, enquanto o empresário Carlos Leite – parceiro do time carioca no negócio – arcou com R$ 700 mil.

“Notificamos o Vasco, eles prometem pagar e não pagam. Um escritório externo ao jurídico vai trabalhar ativamente no caso, mas estamos estudando o que fazer e semana que vem teremos novidades. Também vamos tentar alguma ação junto à Fifa, para exigir este pagamento e até uma punição ao Vasco. Rever o jogador é uma possibilidade a partir do momento que o contrato for rescindido, algo que a justiça vai definir”, declarou uma fonte do jurídico paranista que não quis se identificar.

Informações de bastidores dão conta que Rodrigo Pimpão teria demonstrado interesse em retornar, uma vez que salários, luvas e outras premiações prometidas pelo Vasco estariam em atraso. O procurador do atacante, Carlos Jatobá, disse que todas as pendências já foram acertadas e que o momento é de aguardar o desenrolar do caso na justiça.

“É preciso esperar o que vai acontecer na justiça antes de falar alguma coisa. Se definirem pela volta dele, vamos conversar com o atleta, mas não há nada até agora e creio em um acordo”, resumiu o agente. A reportagem da Gazeta do Povo procurou o vice-presidente de futebol do Vasco, José Hamilton Mandarino, mas o dirigente não atendeu as ligações. Ao site GloboEsporte.com, o diretor executivo Rodrigo Caetano afirmou que a situação vai ser resolvida.

Fonte: Gazeta do Povo